Oncoguia

Pesquisa no site:

Pesquisa no site:

RSS

A- A+

Patrocínio

“Tenho que ter paciência, sei que vai passar”

Equipe Oncoguia

Última atualização: 03/11/2011

Descobrir um câncer no auge da juventude não é algo comum. Principalmente, quando tudo está indo bem e a saúde é uma das últimas coisas que se pensa, afinal, ser jovem tem seus privilégios. Entretanto, isso não é uma regra. Conheça Aline Gabriela Copceski, que mora em Paranavaí (PR) e descobriu um Linfoma de Hodgkin no começo deste ano. Ela ainda está em tratamento.
 
Oncoguia – Quais foram os sintomas que te levaram ao diagnóstico?

Aline – Nódulos aparecendo pelo corpo. A princípio senti um inchaço no meu pescoço e, logo fui ao médico. Disseram-me que era uma infecção nada grave. Quatro meses depois, começaram a aparecer no meu pescoço alguns nódulos. Retornei ao médico e, daí, começou a investigação.

Oncoguia – E a investigação foi demorada?

Aline – Não. Os médicos já suspeitavam de Linfoma e fiz uma cirurgia para biópsia. O resultado era o que eles esperavam: eu tinha um Linfoma de Hodgkin.
 
Oncoguia – Lembra como foi receber a notícia? Já conhecia a doença?
 
Aline – Eu acho que me senti como todo mundo que recebe um diagnóstico de câncer: acha que vai morrer. Não sabia nada sobre a doença e fui pesquisar. Vi que o meu Linfoma era o mais brando e comecei a ficar menos apreensiva. Mas, sabia que um tratamento longo viria por aí.

Oncoguia – E sua família? Você tem irmãos?
 
Aline – Igualmente estressante. Sou a irmã do meio e não foi nada fácil, para meus dois irmãos e minha mãe, saber que eu tinha câncer. Um choque, literalmente. Mas, meu irmão mais velho transformou seu medo em ação e sempre me acompanhou em tudo. Estava comigo desde a primeira tomografia, cirurgia, resultado, quimioterapia. Isso me ajuda muito, não sei nem medir.

Oncoguia – E como está sendo seu tratamento?

Aline – Agora melhor. No começo estava me tratando no SUS da minha cidade. Fui diagnosticada lá e comecei a fazer o tratamento. Depois de algumas sessões, meu médico foi embora e abandonou o meu tratamento e mais 170 outros pacientes. Fiquei quase dois meses sem cuidados. Agora, me trato em Maringá e, por causa disso, minhas seções de quimioterapia ganharam mais tempo. Era para eu terminar agora, porém, vai demorar um pouco mais.

Oncoguia – Até agora, quais são as suas maiores dificuldades?

Aline – Passar pelas seções de quimio. Tenho muito efeito colateral. Faço a cada quinze dias e não me recupero totalmente da anterior. Tenho muita náusea, vômito, cansaço, enfim, sofro bastante com elas. Também tive que parar de trabalhar. Quando descobri a doença eu estava estagiando na faculdade em que trabalhava e iria pegar umas aulas (formada em letras). Não pude. Também entrei no mestrado e já tive que trancar a matrícula. Tenho que ter paciência, sei que vai passar.

Oncoguia – Porque a ideia de lançar um blog?
 
Aline – Precisava desabafar e externar o que eu estava sentindo. Isso me ajuda muito. Foi também uma forma de tornar a doença mais conhecida e trocar figurinhas com outras pessoas que tiveram. É uma terapia para mim, já que estou em casa, sem trabalho, não posso só ficar pensando no tratamento, preciso me mexer.

Oncoguia – Futuro?
 
Aline – Cheio de esperança. Vou passar pelo tratamento e vou vencer este câncer. Por mais que tenha muito estigma, sei que o meu Linfoma é um dos mais brandos e tem cura. Acredito nela.
 

Saiba mais!

Clique aqui e confira a entrevista que o Dr. Jacques Tabacof, médico hematologista e especialista em tratamento de leucemias e linfomas, concedeu ao Oncoguia. No vídeo ele explica o que é Linfoma.



A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003-2009 Oncoguia. Todos os Direitos Reservados. desenvolvido por Lookmysite