Oncoguia

Pesquisa no site:

Pesquisa no site:

RSS

A- A+

Patrocínio

Com que peruca... eu vou?

Equipe Oncoguia

Última atualização: 16/07/2012

 Para muitas e muitas pacientes, a queda dos cabelos é o fator mais impactante da passagem pelo câncer. É comum mulheres relatarem que, no momento do diagnóstico, a primeira preocupação que veio em mente foi com as madeixas: “Mas meu cabelo cairá. Como ficarei careca?”. 

Nessa hora, cada qual toma a sua decisão. Algumas se apressam em procurar peruca que se assemelhe aos seus cabelos naturais e outras ensaiam frente ao espelho a melhor forma de amarrar os lenços e combiná-los com as roupas do armário; têm as que decidem por deixar a cabeça à mostra e, ainda, as que ‘se experimentam’ com visuais diversos.

Seja qual for a decisão, o importante é que a paciente esteja confortável com a sua imagem. 

Antes de cair

A psico-oncologista Regina Liberato, que teve câncer de mama há alguns anos, conta que cortou os cabelos antes que caíssem. “É muito difícil ver os cabelos caírem. Quando comecei a notar que estava acontecendo, optei por cortá-los. Foi muito importante, pois senti que estava contribuindo comigo mesma; que tinha algum controle sobre a situação pela qual passava”.
 
Ela lembra que se divertiu “um tanto” quando foi comprar as perucas na companhia de uma amiga. Que as duas experimentaram cada uma das perucas da loja. “Cortei o cabelo lá mesmo, e fiquei com uma curtinha, uma cacheada na altura dos ombros e uma longa”. 
Com os cabelos já crescidos, Regina transformou a peruca longa em um ‘rabo de cavalo’, que une às madeixas naturais quando sai para dançar (É. Regina é uma super dançarina. Zouk, tango, forró, bolero. Dança de um tudo!). 

Transição

A aromaterapeuta Dorothea Rentell, ou Dolly, terminou o tratamento de um câncer de mama no final de 2011 e conta que a queda dos cabelos não foi algo que lhe desgastou. Assim que recebeu o diagnóstico, tirou os lenços da gaveta e experimentou-os, todos eles, para ver como lhe caíam. “Hum.... não deu certo”, disse rindo. “Não me gostei de lenço!”. 

Como próxima medida, visita à loja de perucas. Levou as filhas, o marido, e provou cada uma delas. 

Para evitar o choque do contato inicial com a nova imagem, Dolly começou a usar peruca antes mesmo dos cabelos caírem. “Comprei uma mais curta que meus cabelos na época. Minha enteada perguntou se eu havia cortado o cabelo. Não percebeu que eu estava de peruca!”. 

Dolly sugere às pacientes, que encontrem diversão no ‘papo das perucas’. “Experimente-se com imagens diferentes. Use as loiras, as morenas, as curtinhas. Faça coisas que não podia fazer antes, com os cabelos naturais”. 

Depois de algum tempo de tratamento, Dolly trocou de peruca. Passou a usar uma bem curtinha, com corte desfiado. Ela explica que foi uma medida de transição. Da peruca mais longa para a curta, da curta para os cabelos naturais. Hoje Dolly aposentou as perucas. Está com visual modernérrimo, com os cabelos no comprimento de dois dedos. 

Saiba onde encontrar perucas.


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003-2009 Oncoguia. Todos os Direitos Reservados. desenvolvido por Lookmysite